Entre em contacto connosco
Call 308 803 288
(chamada local)

Entre em contacto connosco
Call 308 803 288 (chamada local)

E se conseguisse ouvir as vozes dos mortos?

Gravar as vozes dos mortos parece pura loucura, mas o famoso inventor americano Thomas Edison trabalhava, em 1870, numa máquina que permitia aos mortos comunicar-se com os vivos: o necrofone… Esta adaptação do fonógrafo poderia ter tornado possível gravar as vozes dos mortos, o que é perturbador, não é?

Thomas Edison (1847 - 1931), o homem com 1000 patentes, o inventor do fonógrafo, da cadeira elétrica e da lâmpada alcalina, havia trabalhado, em 1870, numa máquina que lhe permitiria conversar com os mortos: o necrofone.


Nota*: Desconto válido unicamente na primeira consulta na Wengo com os/as Especialistas que fazem parte da promoção.
**Serviço de Apoio ao Cliente, disponível de segunda a sexta-feira das 08h00 às 20h00 (horário de Portugal Continental).


O necrofone: uma invenção fascinante

Infelizmente Thomas Edison nunca terminou esta invenção, que era desconhecida aos olhos de todos até que Philippe Baudoin, historiador da France Intern, descobriu um texto incrível das memórias de Edison.

As memórias de Edison, publicadas após a sua morte em 1948, incluíam um capítulo final intitulado “Reino da Vida após a morte”, contendo um texto autobiográfico e um conjunto de notas. Afim de proteger a sua reputação, os familiares de Edison esconderam esse capítulo…

No final da sua vida, Edison ficou literalmente fascinado pela morte e pela ideia da sobrevivência da alma.



Sobrevivência da alma após a morte: a teoria de Edison

Edison acreditava que todos os seres vivos eram compostos por “unidades de vida” e que estas unidades voavam para longe quando a pessoa morre. Para Edison, estas pequenas entidades estavam espalhadas por toda a terra, preservando a memória da pessoa. Estava convencido de que a sua máquina seria capaz de tornar audíveis estas pequenas entidades de vida flutuante.

Como disse Philippe Baudoin: “para ele, a alma é um corpo invisível que tem materialidade através de substâncias muito pequenas. Chamava-lhes unidades de vida; reuniam-se sob a forma de enxames. Estava convencido de que, uma vez que a morte tenha feito o seu trabalho, a memória dispersa-se por um curto período de tempo em pequenas unidades metafísicas que uma máquina poderia capturar, amplificar e trazer à escuta”.


Ciência e espiritualismo: o auge do século XIX

Definição de espiritualismo: doutrina baseada na existência, manifestações e ensinamentos de espíritos, na maioria das vezes espíritos humanos desencarnados (um humano encarnado é usado como médium entre o mundo humano e o espiritualista em sessões espiritualistas).

Na segunda metade do século XIX, a doutrina espiritualista expandiu-se e tornou-se muito popular, especialmente nos círculos intelectuais, literários e científicos.

Como muitas pessoas do seu tempo, Edison cresceu num círculo familiar inclinado para o espiritualismo, o que é bastante normal. No final do século XIX, muitos cientistas não viam a investigação psíquica e a ciência como incompatíveis!

Por exemplo, Victor Hugo afirmou comunicar com a sua filha falecida, Léopoldine, e declarou “aqueles que choramos não estão ausentes, eles são os invisiveis”.

O fotógrafo Édouard Buguet ofereceu aos seus clientes o seu retrato com o espírito de um ente querido que tinha morrido.

Edison chegou ao ponto de dizer que a ciência deveria explorar a questão da vida após a morte…


Como avança o processo de investigação?

A investigação sobre o que se chama “transcomunicação instrumental”, ou seja, a técnica que permite a gravação de vozes do além através de um gravador de fita ou de um microfone externo, não parou com Edison! Outros cientistas também trabalharam arduamente…

  • 1959: Friedrich Jürgenson, pintor e cantor de ópera, gravou pássaros no campo sueco. Enquanto tocava a fita, ouviu “um ruído, vibrando como uma tempestade” e discursava após “um solo de trompete” a voz de um homem falando sobre pássaros noturnos. Começou a estudar estas vozes electrónicas. Se não eram interferências radiofónicas nem mensagens extraterrestres, poderiam ser as dos mortos… Intrigado, multiplicou as gravações e captou outras vozes, incluindo a da sua mãe…
  • Anos 60: Konstantĩns Raudive, escritor e psicólogo, decidiu conduzir as suas próprias experiências sobre o assunto utilizando várias técnicas como gravadores de fita ligados a microfones fechados ou abertos, gravação de sinais de rádio sintonizados entre duas estações ou sons errantes captados no fio do telefone. Em 1968, Raudive publicou um livro “The Inaudible Becomes Audible” após analisar 72.000 gravações, convencido de que as vozes eram de pessoas mortas, declarou: “não há dúvida de que estabelecemos comunicação com o outro mundo”.
  • 2003: Alexander MacRae, um investigador escocês de parapsicologia, fez gravações num laboratório na Califórnia. A sala estava acusticamente isolada e protegida da radiação electromagnética e afirmou ter gravado muitas vozes paranormais. As suas descobertas foram publicadas no Journal of The Society for Psychical Research em 2005.



Por Lena Almeida

Sou a Lena Almeida e tenho 34 anos. Sou licenciada em letras, adoro ler e escrever. Desde pequena, algo em mim estava sempre interessado pela astrologia, não passava um dia sem ler o meu horóscopo diário. Por isso, quando comecei a escrever para o site meu.astrocenter.pt, senti-me completamente realizada....

Sou a Lena Almeida e tenho 34 anos. Sou licenciada em letras, adoro ler e escrever. Desde pequena, algo em mim estava sempre interessado pela astrologia, não passava um dia sem ler o meu horóscopo diário. Por isso, quando comecei a escrever para o site meu.astrocenter.pt, senti-me completamente realizada. Hoje, espero que os/as nossos/as leitores/as gostem e que se reconheçam nos nossos artigos!

Continuar a ler

Deixe o seu comentário

Contacte-nos!